Blockorion

Estrategista aconselha: Bitcoin vai passar R$ 500 mil até junho de 2021

Mike McGlone, um estrategista sênior de commodities da Bloomberg Intelligence, disse que o Bitcoin (BTC) parece estar indo para US$ 100 mil à medida que se aproxima de substituir o ouro como ativo de reserva.

Em uma nova edição do Bloomberg Crypto Outlook, McGlone escreveu que o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC), que fechou com um desconto de 2,7% no final de fevereiro, sinaliza que o valor da principal criptomoeda do mercado pode estar se preparando para um aumento de duas vezes.

Além disso, observou que os futuros de BTC sendo negociados significativamente mais altos na CME, sugerem que o Bitcoin formou uma base sólida de preços.

 

“As disparidades de preços do Bitcoin no final de fevereiro nas exchanges regulamentadas dos Estados Unidos pressagiam uma base de preços firme, se a história servir de guia. São evidências de quão nascente é a criptomoedas isso indica um grande movimento de alta”, disse.

Conforme observou, o Grayscale Bitcoin Trust registrou seu maior desconto de todos os tempos. Enquanto isso, os futuros de Bitcoin negociados no CME em dezembro fecharam cerca de 20% mais. Assim, esses dois resultados junto formam junto um padrão de alta para o BTC.

Bitcoin vai subir até junho

Além disso, McGlone afirmou que a principal criptomoeda do mercado parece estar no processo de substituir o ouro.

Afinal, um número crescente de investidores prefere o Bitcoin em vez do metal precioso para diversificar seu portfólio.

De acordo com o analista, essa mudança de preferência corre enquanto o Bitcoin sofre um declínio na volatilidade.

 

“Sem distorção pelo preço, vemos a crescente onda de adoção do Bitcoin como simplesmente prudente, principalmente para os alocadores de ouro ao longo da história.”

Por fim, observou que esse cenário aumenta a chance do ouro se tornar um ativo redundante em um mundo digital.

Consequentemente, conforme a adoção se expandir, a volatilidade anual do Bitcoin será menor que a da Amazon.com. McGlone prevê que isso acontecerá dentro de alguns anos.

“Se os padrões do passado prevalecerem, acreditamos”, finalizou.