Blockorion

PagSeguro 'abraça' o Bitcoin e vai oferecer fundo da Hashdex via PagInvest

A PagSeguro, uma das maiores empresas de pagamento no Brasil, anunciou que ‘abraçou’ de vez o Bitcoin e as criptomoedas e, por meio da PagInvest, plataforma de investimentos da empresa, vai oferecer exposição a fundos da Hashdex

A PagSeguro, uma das maiores empresas de pagamento no Brasil, anunciou que ‘abraçou’ de vez o Bitcoin e as criptomoedas e, por meio da PagInvest, plataforma de investimentos da empresa, vai oferecer exposição a fundos da Hashdex.

Assim, segundo um comunicado, a partir desta quinta-feira (25) o fundo Hashdex Criptoativos Discovery FIC FIM, da gestora Hashdex, estará disponível na plataforma de investimentos PagInvest, da PagSeguro.

  • Mastercard entra ‘de cabeça’ no mercado de criptomoedas e cria cartão exclusivo para Moeda Digital do Banco Central

Com investimento inicial de R$ 500, o produto é voltado para investidores de todos os perfis e tem 20% da composição exposta a criptoativos e 80% em títulos de renda fixa, atendendo ao que determina as normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

No ar desde julho de 2019, o Discovery conta atualmente com R$ 251 milhões de patrimônio líquido e acumula rentabilidade de 51,33% desde o início da captação e de 45,48% somente nos últimos 12 meses.

“Esse é mais um movimento da gestora de democratizar o acesso a criptoativos no Brasil. A partir de agora o fundo para público em geral da Hashdex está disponível para milhões de usuários de maneira simples e segura através da plataforma de investimentos do PagSeguro. Nosso objetivo, nos próximos meses, é que os produtos da casa estejam ao alcance de mais investidores”, explica Roberta Antunes, chief of growth da Hashdex.

Bitcoin

O CEO da Hashdex, Marcelo Sampaio, disse recentemente que acredita que a chegada do Bitcoin ao patamar de US$ 50 mil “é só o começo”.

 

  • ‘Mal das pernas’: Lucro dos 4 maiores bancos brasileiros sofre a maior queda em 21 anos

Sampaio disse que acredita que a chegada de grandes players ao mercado de criptomoedas – como MicroStrategy, PayPal, Mastercard, Visa, Square e Tesla – também deve ser a tendência daqui para frente:

“O ano de 2020 foi o momento em que o mundo institucional começou a descobrir cripto. E o Bitcoin, sem dúvida, capturou mais atenção. E quem está há bastante tempo nesse mercado sabia que era uma questão de tempo. Antes mesmo da Covid-19, alguns nomes grandes começaram a se interessar pelo setor. O incentivo de Paul Tudor Jones foi um divisor de águas. Você tem um investidor icônico do capitalismo americano, um dos caras que mais acertou nos últimos anos, sinalizando que todo mundo deveria investir em Bitcoin. Vamos ver cada vez mais empresas fazendo isso. Quantos players institucionais realmente colocaram dinheiro nisso? Poucos. Ainda há muito para avançar”

O CEO da Hashdex fundou a empresa em 2018, durante o mercado de baixa das criptomoedas. Depois de dois anos difíceis, a empresa conseguiu desenvolver quatro fundos com exposições diferentes ao criptomercado. Hoje, a Hashdex tem 40 mil cotistas em seus fundos e nada menos que R$ 1,5 bilhão de ativos sob gestão.